Piter Punk's HomePage - Artigos
 
English version
Porque usar Slackware

Piter PUNK

1. Introdução

Uso a distribuição Slackware, não é segredo para ninguém e defendo a minha distribuição com unhas e dentes. Várias vezes me perguntam: "Por que você usa o Slackware?". Outros já perguntam se o Slackware é adequado para isto ou aquilo.

Acredito que os usuários de Slackware o utilizem em primeiro lugar Because it works (porque ele funciona), mas existem vários outros motivos técnicos que nos fazem preferir uma distribuição em que um dos principais focos é a simplicidade.

2. Vantagens

2.1. Instalação

Esta acho que é uma das maiores vantagens do Slackware, uma instalação simples com ótimos menus explicativos. Com os vários kernels customizados, podemos instalar a distribuição em uma variedade enorme de computadores compatíveis com i386.

Os pacotes compilados para i386 também facilitam essa tarefa. Não são todas as distros que podem ser instaladas em computadores que vão desde um 386 até um Athlon, com memórias começando em 8MB e discos IDE e SCSI.

Ao contrário de várias outras distribuições, processos de autodetecção que podem "travar" a máquina não são aplicados, assim não se corre o risco de parar a instalação por culpa de uma placa de vídeo não suportada, ou de uma placa de som mal humorada. Aliás, a detecção da placa de rede (que funciona maravilhosamente bem) também pode ser deixada para depois, facilitando a vida de quem faz as instalações em uma máquina e depois vai passar para outra.

A separação dos aplicativos em séries autocontidas também ajuda muito no processo de instalação, principalmente para os novatos. No caso dos experts, a instalação pode ser extremamente detalhista, passando pacote por pacote com sua descrição para o usuário escolher, possibilitando um ótimo controle do que está sendo instalado e, sem dificuldades, instalações inferiores a 40MB (alguém mencionou flash?)

2.2. Sistema de Pacotes

Ao contrário do que alguns dizem, o Slackware possui sim um sistema de pacotes, com possibilidades de instalação, remoção e upgrade de pacotes. O conjunto de ferramentas é tão completo que inclui um utilitário para a criação de pacotes no padrão (e uma pequena documentação na manpage sobre como criá-los) e outro para simplesmente extrair o pacote (e possibilitar a inspeção e correção do seu conteúdo).

Somando-se a estas características, temos a vantagem dos pacotes do Slackware não estarem amarrados a intermináveis tabelas de dependências, que causam mais mal do que bem, como vemos nos vários casos de dependências cíclicas e, nos casos das ferramentas automáticas, instalação e remoção de pacotes indesejados. Quem teve problemas ao fazer upgrade da rpmlib e depois ver que o rpm não funciona mais sabe do que estou falando, ou quem tenta remover o sendmail e tem como brinde a remoção do squid...

Muito mais simples e melhor do ponto de vista da administração do sistema, é o administrador saber exatamente o que está instalando, inclusive conhecendo as dependências a serem satisfeitas (e em seguida satisfazê-las). Eu não iria confiar em um médico que não consegue localizar o rim ou fígado de um paciente, por que confiar o meu sistema a um administrador que não sabe o que instala?

Outra vantagem é base de dados dos pacotes, que é toda em modo texto. O que facilita muito a busca de arquivos e pacotes instalados e também a confecção de utilitários que usem essa base para propagação de instalações ou facilitar upgrades, ou mesmo para localizar em qual pacote se encontra determinado arquivo. Isso apenas com comandos comuns utilizados na shell, facilitando a tarefa de recuperar um sistema danificado, ou saber quais pacotes reparar. Já tentou reparar a base dos pacotes RPM? Ou saber quais pacotes estão instalados com o rpm sem funcionar?

2.3. Inicialização estilo BSD

A inicialização do Slackware é uma das mais rápidas e das mais eficientes. É bem mais simples de se administrar do que a inicialização SystemV: ao invés de centenas (literalmente) de links simbólicos para dezenas de arquivos, apenas uma série de scripts que podem ser editados facilmente.

Os serviços principais se encontram separados em scripts próprios que podem ser chamados individualmente e, para determinar qual deve e qual não deve ser iniciado no boot precisamos apenas recorrer a um chmod.

Muito me impressiona alguém mencionar que controlar mais de cem links simbólicos (que ainda devem possuir um argumento referente a ordem em que são iniciados) possa ser mais simples que editar um script ou alterar se ele deve ou não ser executado.

Com essas características, podemos acrescentar sem maiores dificuldades novos scripts e já com a vantagem de serem colocados na ordem correta. E, mesmo sendo infinitamente superior em facilidade e simplicidade de uso, ele também suporta os scripts de inicialização no padrão SysV.

2.4. Simplicidade

Por fim, uma das maiores filosofias presentes no Slackware é a KISS (Keep It Simple Stupid), que quer dizer: "Mantenha isto simples, estúpido!" E por isso é uma distribuição simples, na qual rapidamente podemos localizar e modificar os arquivos de configuração. Enquanto muitas distribuições mantém dúzias de arquivos sob o /etc/sysconfig contendo a configuração do seu sistema e do seu hardware, no Slackware estes dados estão concentrados no /etc/rc.d, junto com os scripts de inicialização.

Os utilitários de configuração em modo texto facilitam a configuração remota, via console serial e em máquinas sem o X instalado; coisa que os utilitários gráficos não ajudam muito a fazer (quando não tornam impossível), particularmente eu acho bem estranho quando alguma distribuição que se diz direcionada para servidores obriga a instalação do X para que seus utilitários funcionem da maneira correta.

A maior simplicidade também reflete uma maior coerência entre os diversos pacotes e uma maior estabilidade. Neste caso basta utilizar um pouco de probabilidade, quanto maior a complexidade do sistema envolvido, maior a chance de haverem erros e mais complexo deve ser o esquema de controle de erros do sistema. Como o esquema de controle de erros deve ser mais complexo, é mais propenso a erros, e realimentamos uma roda viva. O Slackware foge deste círculo vicioso através do método mais simples, em uma aplicação da famosa Navalha de Occam (no caso de vários modelos equivalentes, deve-se preferir o mais simples).

3. Onde Usar

3.1. Servidores

O primeiro uso a ser pensado com uma máquina com todas estas características

  • Facilidade de administração;
  • Estabilidade e;
  • Alto potencial de customização

É em servidores. Os utilitários de configuração todos em modo texto funcionam como uma mão na roda em instalações remotas, a simplicidade dos arquivos de inicialização e configuração tornam a reconfiguração da máquina rápida e indolor. A aplicação de patches é tranqüila graças ao pkgtool e ferramentas associadas (o único problema está no download dos pacotes a serem instalados, mas existem diversas ferramentas criadas pela comunidade slacker para facilitar ainda mais esse processo).

Em suma, muitas vantagens para apenas uma desvantagem (no caso, o download das atualizações). Ora, sabemos que um servidor não foi feito para ficar sendo reinstalado a cada cinco minutos (como usuários de outras distribuições tendem a achar necessário), a não ser que haja alguma vantagem muito grande em relação ao software já instalado, devemos fazer atualizações apenas em casos de falha de segurança. Ficar instalando constantemente uma versão sobre a outra, apenas contribui para a instabilidade do sistema.

3.2. Ressuscitar máquinas com poucos recursos

Pacotes compilados para i386, facilidade de administração sem o X, disponibilidade do XFree86 3.3.6 (que é mais leve) e alta capacidade de customização tornam o Slackware a distribuição ideal para as máquinas com poucos recursos de memória, processamento e disco.

Obviamente não podemos esperar de um 486 a mesma performance que vemos em um novíssimo Pentium IV, mas podemos esperar que ele funcione seja um servidor de impressão, mail e gateway com alta eficiência e confiabilidade.

Laboratórios obsoletos, com máquinas antigas e HDs minúsculos, podem se aproveitar muito bem do Slackware e se tornarem terminais gráficos de qualidade. Algumas distribuições acham que só computadores i586 (Pentium) ou superiores possam ter este uso, o Slackware não.

3.3. Desktop

Vários gerenciadores de janelas diferentes, dois ambientes de trabalho completos e amplo suporte a hardware. Precisa de mais? Navegadores, Editores de Texto, Planilhas, Softwares de mensagens instantâneas, clientes de ftp, editores gráficos, etc...

As outras distros também possuem estes mesmos programas, e se dizem preparadas para o desktop, o Slackware também está! Uso Linux desde 96 (comecei com Slackware 96) como desktop e tenho conseguido escrever meus artigos e trabalhos para a faculdade, escutar música, ler e-mails, navegar, etc...

3.4. Aprendizagem

Sendo simples de usar e simples de entender, o Slackware é perfeito para propósitos didáticos. Você pode saber exatamente o quê está instalado, onde se encontram os arquivos de configuração, etc... As dúzias de arquivos bizarros espalhados em /etc/sysconfig, preparados para facilitar a vida dos utilitários de configuração, atrapalham a compreensão dos detalhes e o entendimento do sistema como um todo.

É através da compreensão que criamos verdadeiros administradores de sistemas e não meros apertadores de botão. Atenção, não se trata de desqualificar os utilitários de configuração (o Slackware tem vários e seus usuários criam outros ainda para facilitar e simplificar a vida do administrador), mas de usar estes utilitários sabendo o que está acontecendo.

4. Conclusão

Com este artigo pudemos ver as várias vantagens do Slackware em termos de administração e manutenção do sistema. Enquanto alguns acham que facilidade é entrar em dezesseis submenus para mudar o IP do computador ou para carregar o módulo correto da placa de rede; nós, slackers, acreditamos que facilidade é resolver o problema com a edição no lugar indicado do arquivo de configuração correto.

E isto é o Slackware, facilidade e simplicidade. Se é isso que você quer o Slackware é para você, e você poderá descobrir qual motivo leva tantos usuários a amarem esta distribuição. Qualquer dúvida, crítica ou sugestão com relação a este artigo, mande e-mail para [email protected]


Links Principal Artigos Piter Punk Dicas Programas
 
Powered by Slackware Linux - Written in VIm (the best one!) Last Update: 30 Oct 2004